Defesa reconhece agressão, mas nega que jovem apanhou por ser gay

Advogado entrou com um pedido de liberdade provisória


O advogado dos suspeitos de terem agredido um estudante de direito em Pinheiros, Joel Cordaro, reconheceu a agressão, mas negou que ela tenha tido motivação homofóbica.

— Que ele foi agredido não tenha dúvida, mas ele procurou também. Com relação à opção sexual dele, isso é problema dele. O negócio de homofobia não existe isso.

Ainda de acordo com Cordaro, a discussão começou por conta de uma faixa de pedestre. Na versão da defesa, o desentendimento teve início quando os jovens pararam na faixa de pedestre e a vítima, o estudante de direito André Baliera, teria mostrado o dedo do meio para os supostos agressores, o estudante Bruno Portieri e o personal trainer Diego de Souza.

— Bruno desceu e pediu para que ele fosse embora. Ele (vítima) pegou uma pedra no chão e atirou contra o carro. Nesse momento, o Diego foi falar com ele, houve um desentendimento.

O advogado também afirmou que há “um sensacionalismo” por parte do estudante de direito.

— Tem um depoimento da vítima falando que pegou uns óculos do meu cliente e quebrou. Ninguém em sã consciência, sabendo o tamanho dos dois, iria fazer isso, a não ser que quisesse chamar atenção. O que eu acho que não está sendo correto é que ele agora quer se passar por vítima por ser homossexual.

Share on Google Plus

About

    Blogger Comment
    Facebook Comment