Ao tentar fazer transação bancária, homem é avisado que está 'morto'

Mesmo nome de garoto morto em MG, no ano passado, causou a confusão.
Comerciante de Vianópolis (GO) pensou que história era uma 'brincadeira'.

Imagine a seguinte situação: você vai ao banco fazer uma movimentação em sua conta, não consegue, e, ao pedir ajuda, o funcionário da instituição explica que não é possível executar o procedimento porque você está, simplesmente, morto.

Parece loucura, mas foi o que aconteceu com Vinícios Guimarães Silva, comerciante da cidade de Vianópolis, a 90 km de Goiânia. Ele conta que demorou a crer que aquela situação era verdadeira.

"Pensei que poderia ter sido uma brincadeira, mas de fato, o atendente do banco me mostrou a tela do sistema e realmente pude ver que meu nome constava como falecido", diz, surpreso.

Após o susto inicial, era a hora de saber o que estava acontecendo. Vinícios queria saber porque foi considerado morto e se isso havia afetado de alguma forma sua documentação.



Ao pesquisar sobre a história, o comerciante descobriu que no meio do ano passado, um garoto de 8 anos havia morrido na cidade de Mantena, no interior de Minas Gerais. A surpresa foi que seu nome era exatamente igual ao do menino morto. Com a certidão de óbito expedida, o nome entrou no Sistema de Controle de Óbitos (Sisobi) e para alguns órgãos, Vinícios está oficialmente morto.

A principal preocupação era com o passaporte. Com uma viagem ao exterior agendada para daqui a duas semanas, ele procurou a Polícia Federal. Porém, ficou bem mais tranquilo ao saber que estava tudo certo com o documento.

Ele ainda precisa regularizar sua situação perante a Receita Federal e o INSS. Mas isso, Vinícios só vai fazer depois que voltar da viagem. Do caso, ele lembrará com bom humor.

"Agora é torcer para que isso não passe de uma lembrança, de uma história para contar aos amigos. E que realmente, agora sim, eu possa continuar a minha vida", brinca.

Share on Google Plus

About

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário