Como escolher uma mulher para namorar/casar

Apesar desse ser um blog focado em investimentos/finanças pessoais, durante os 2 últimos meses praticamente só se discutiu sobre uma coisa nos comentários: mulher. A escolha da parceira é, de fato, a decisão financeira mais importante da vida de qualquer homem e que, tratando-se de dinheiro, deve ser analisada ao menos em parte com a mesma racionalidade que analisamos um título NTNB ou a meretriz da GFSA3, e é nesse ponto que muita gente faz péssimas decisões que trarão consequências catastróficas pelo resto da vida.

O ponto inicial é saber que, ao contrário do que prega o feminismo, existem diferenças fundamentais entre homens e mulheres. Ao contrário do que prega a misoginia, não acredito que as mulheres devem ser objeto de ódio ou desprezo, mas sim haver o reconhecimento de que não somos iguais.

Ao contrário dos homens, as mulheres são muito mais dependentes da sua aparência física para atrairem o sexo oposto. Já estes conseguem atrair mulheres através de dinheiro e poder. Essa opinião minha tem base puramente empírica que pode ser corroborada por qualquer pessoa que vive em nossa sociedade.

Do fato acima surge uma verdade inconveniente: existe uma clara tendência de valorização dos homens com o tempo e de desvalorização das mulheres com o tempo. A tendência dos homens, ainda mais nós que poupamos, estudamos e investimos o nosso suado dinheiro, é de nos tornarmos mais ricos a cada dia. Por outro lado, o tempo torna as mulheres a cada dia mais feias.

Será por isso que elas querem nos comprar (casar) e nós queremos alugá-las (namorar)?

Além disso, pelo fato das mulheres serem seduzidas pelo dinheiro, existe uma tendência natural das mesmas serem um eterno agente destruidor das riquezas criadas pelo homem, agindo como um título de renda fixa com rentabilidade negativa em troca da sua companhia.

Cria-se, então, um dilema: se de um lado o objetivo de cada um que lê este blog é de aumentar o patrimônio a cada dia, as namoradas/mulheres tendem a diminuir este mesmo patrimônio. Existem, portanto, algumas opções ao homem:

Assumir que é otário e continuar sendo o caixa automático da mulher
Tentar mudar as características da mulher (boa sorte!)
Largar a âncora


Para a pessoa solteira, existe a estratégia discutida amplamente nos comentários da eterna solteirisse + prostitutas/amantes. De um lado ganha-se liberdade e dinheiro, do outro perde-se responsabilidade e a ligação emocional. Creio que essa estratégia é plenamente válida, assumidos os riscos de no futuro o indivíduo ser uma pessoa velha, rica e praticamente sozinha (não acredito em amizades fora da família/matrimônio).


Talvez uma estratégia mais interessante seja a de escolher as raras mulheres que ganham o mesmo/um pouco menos que o homem e que visualizem valor no homem além do dinheiro. É importante frisar que a mulher sempre vai olhar pro dinheiro do homem, SEMPRE. A questão aqui é você não ser reprovado nesse quesito e possuir outras qualidades para que a mulher aceite ter você como parceiro. No entanto, a mulher também deve possuir qualidades, sob risco do homem perder uma quantia significativa do seu patrimônio com divórcio, pensão alimentícia e eterno subsídio do padrão de viva feminino:

Caráter. Se o homem pegou a mulher na mentira algumas vezes é sinal que a mesma não é digna de confiança e que portanto não serve como companheira.
Passado. Se a mulher ou tem um passado nebuloso ou com histórico de bebedeiras, relação com diversos homens e que de uma hora pra outra "mudou", é sinal de que você tem um potencial enorme de chifre ou de risadas por trás de centenas de homens que pegaram sua então mulher facilmente.
Constante subsídio. Esse é o fator fundamental para o homem saber se ele é o cartão corporativo da mulher. Se a mulher diz que não liga pro dinheiro do cara, que tal cortar as viagens internacionais pagas integralmente pelo homem? Os jantares em bons restaurantes? Roupas?
Desnível acentuado de renda. Se você ganha R$20.000,00 e a mulher ganha R$2.000,00, o homem está fadado a levar um padrão de vida de no máximo R$11.000,00, e de cair na mesma questão do constante subsídio acima. Pra mim já basta o governo de sanguessuga.
Inteligência/Interesses em comum. Lembre-se: a mulher a cada dia fica mais feia, e logo chegará o dia em que não restará beleza alguma nela. Se não houver diálogos interessantes/interesses em comum, que incentivo o homem terá de ficar com uma mulher burra E feia?
Apreciação por coisas supérfluas/síndrome de princesa. Se a mulher se vangloria com as amigas das viagens pagas pelo macho ou do caro presente X recebido é porque as prioridades dela estão nas coisas que o homem proporciona e não no homem em si.
Inabilidade em poupar. Se a mulher mesmo que tenha uma renda boa mantiver constantemente saldo negativo ou contas em atraso é um sinal claro de descontrole financeiro, levando a uma parceira que, apesar de não diminuir, em nada agrega ao patrimônio do casal.
Portanto, se a mulher tem um passado sombrio, mente/já mentiu algumas vezes pra você e não é digna de confiança, ganha muito menos que você, não poupa um centavo e ainda depende constantemente dos seus aportes para suas atividades de lazer é sinal de que existe (muita) coisa errada no seu relacionamento, e que o futuro dificilmente terminará diferente de um divórcio, pensão alimentícia e um homem profundamente arrependido das escolhas feitas no passado.
Share on Google Plus

About

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário