Com greve da Polícia Civil, 8 mil crimes não são registrados em Goiás


Com a greve dos agentes e escrivães da Polícia Civil, mais de 8 mil ocorrências não foram registradas no estado durante os 15 dias de paralisação, segundo levantamento do Sindicato dos Policias Civis de Goiás (Sinpol). A insegurança preocupa a população.

Os policiais estão registrando apenas flagrantes e crimes hediondos. Vítimas de outros crimes estão sendo prejudicadas, como a dona de casa Humildes Pereira, que foi roubada em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal.  Ela não conseguiu ser atendida na delegacia. "Os bandidos aproveitam e assaltam, roubam, fazem tudo", ressalta.
De acordo com a estatística, cerca de 3 mil destes crimes ocorreram nas cidades goianas do Entorno do Distrito Federal. Na região, mais de 10 mil inquéritos também estão com as investigações paralisadas.
Em Anápolis, a 55 quilômetros de Goiânia, aproximadamente 400 ocorrências não foram registradas. A diarista Jovelina Oliveira reclama de não poder ser atendida. "Agora é votar para casa, cruzar os braços e esperar", lamenta.
Greve
A greve dos escrivães e agentes da Polícia Civil começou no dia 17 de setembro. Segundo o presidente do Sinpol, a categoria pede piso salarial de R$ 7.250 e o pagamento do bônus de resultados, assim come é pago somente para os delegados desde julho do ano passado.
Share on Google Plus

About

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário