Desemprego tem a maior taxa para agosto desde 2009, diz IBGE



O desemprego no país continuou em alta e, no oitavo mês do ano, atingiu 7,6% depois de bater 7,5% em julho, segundo informou nesta quinta-feira (24) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Um ano atrás, em agosto de 2014, a taxa estava em 5%.

Para o mês de agosto, a taxa é a maior desde 2009, quando chegou a 8,1%. Considerando todos os meses, o índice também é o mais elevado desde setembro de 2009, quando ficou em 7,7%. Em março de 2010, o desemprego também havia atingido 7,6%.
De acordo com o IBGE, a população desocupada - que está procurando trabalho - somou 1,9 milhão e ficou estável em relação a julho. Mas, na comparação com o mesmo mês do ano passado, esse número cresceu 52,1%.
Já a população ocupada também ficou estável em relação a julho, em 22,7 milhões de pessoas. No entanto, recuou 1,8% na comparação com 2014.
No setor privado, o número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada atingiu 11,3 milhões. Na comparação com  ficou estável na comparação mensal. Em relação a agosto de 2014, apresentou retração de 3,8 % (menos 445 mil pessoas).
O rendimento médio real habitual dos trabalhadores, estimado em R$ 2.185,50, caiu 3,5% em relação ao ano passado e aumentou 0,5% na comparação com julho.
Entre os tipos de categoria analisadas pelo IBGE, os rendimentos caíram entre os empregados sem carteira no setor privado (-6,2%) e os militares e funcionários públicos (-1,6%). Na comparação com o ano passado, Em relação a agosto de 2014, a maior redução foi entre os empregados sem carteira no setor privado (-12,6%).
O nível de ocupação, que é a proporção de pessoas ocupadas em relação às pessoas em idade ativa, foi estimado em 51,8%.
Onde o desemprego caiu ou subiu
Em agosto, frente a julho, o Rio de Janeiro foi o único local a apresentar redução, de 5,7% para 5,1%. No entanto, nas outras regiões metropolitanas, não houve variação. Já quando se compara com agosto do ano passado, a desocupação aumentou em Salvador, de 9,3% para 12,4%; São Paulo, de 5,1% para 8,1%; Recife, de 7,1% para 9,8%; Belo Horizonte, de 4,2% para 6,7%; Rio de Janeiro, de 3,0% para 5,1%; e em Porto Alegre, de 4,8% para 6,0%.
Share on Google Plus

About

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário