Presidente da Volkswagen renuncia por escândalo de fraude em poluentes



O presidente-executivo da Volkswagen, Martin Winterkorn, renunciou nesta quarta-feira (23), quase uma semana depois de o escândalo de fraude de emissões de poluentes em carros a diesel vir à tona. De acordo com o Grupo Volkswagen, o substituto deverá ser anunciado na próxima sexta-feira (25). Winterkorn, de 68 anos, estava à frente da empresa desde 2007. No comunicado em que anunciou que deixou o cargo, o executivo diz: "Estou chocado com os acontecimentos dos últimos dias. Acima de tudo, estou abismado por como foi possível um erro de conduta de tal tamanho no Grupo Volkswagen".
Porém, Winterkorn ressalta que não está a par de nenhum erro que tenha sido cometido por ele (leia o comunicado de Winterkorn na íntegra ao fim da reportagem).
O comitê executivo do Conselho Supervisor da companhia, também em comunicado, destacou que Winterkorn "não tinha conhecimento da manipulação de dados de emissões". E informa que o ex-presidente também pediu para ser desligado da empresa.
Como tudo começou
A crise na fabricante alemã começou na última quinta (17), depois que o governo dos Estados Unidos acusou a marca de adulterar resultados em testes de poluentes, em 500 mil veículos vendidos no país. A desconfiança começou pela diferença entre nível de emissão obtido em testes oficiais e o de testes de rodagem.
Após investigar o caso, a agência ambiental americana (EPA) concluiu que a montadora utilizava um software que controlava a emissão de poluentes apenas no momento em que os carros eram submetidos a vistorias. Entre eles os modelos que possuem esse dispositivo, segundo a EPA, estão Jetta, Beetle (chamado de Fusca no Brasil), Golf, Passat e o Audi A3 --da marca que pertence ao grupo Volkswagen. Eles foram fabricados entre 2009 e 2015.
A Volkswagen falou sobre o caso pela primeira vez no domingo passado (20), quando Winterkorn pediu desculpas, mas não mencionou que a má prática ocorria em outros mercados, além do americano. Na segunda (21), o presidente da montadora nos EUA, Mark Horn, foi mais enfático: "Nós ferramos tudo. Nossa empresa foi desonesta", afirmou, durante o lançamento do novo Passat, em Nova York.
No entanto, na última terça (22), a Volkswagen admitiu que 11 milhões de veículos a diesel em todo o mundo tiveram um software instalado a manipulação de resultados de emissões de gases tóxicos. E que separou 6,5 bilhões de euros, o equivalente a metade do lucro previsto para este ano, para consertar os carros e arcar com eventuais punições, como multas.
O que disse o CEO
Nesta quarta, o Conselho do Grupo Volkswagen se reuniu e Winterkorn divulgou um comunicado sobre a renúncia. "A Volkswagen precisa de um novo começo - também em termos de pessoal. Estou abrindo caminho para este novo começo com a minha demissão", afirmou o executivo na nota. "Estou fazendo isso pelo bem da companhia ainda que não esteja ciente de nenhum erro da minha parte", completou.
Share on Google Plus

About

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário